domingo, 6 de junho de 2010

"O amor de sua vida"...


Tem gente que usa esse termo como se fosse uma calça nova. Nem bem começa um namoro e logo diz, olhos nos olhos: "Você é o amor da minha vida". Ou então, como aquela camisola velha e confortável, que mesmo quando está escondida lá no fundo da gaveta nos traz grandes e boas recordações... Aí a frase muda para: "Você sempre será o amor da minha vida".

Não que seja improvável a gente considerar o amor da vida aquele que surgir de repente em seu esplendor, sem antes tivesse que provar seu valor e solidez nas vicissitudes de um relacionamento a dois. Mas começo a perceber que esse é o mais "portátil amor da vida" que alguém pode manter... vai para qualquer balada com a gente, sem ter que enfrentar novas provas e, no fundo, nos impendindo de viver intensamente o amor de sua vida...

Sim, eu tenho algumas regras de conduta e uma delas reza que: "o amor da sua vida vive a vida com você". Ele come o prato de sal de sua colher, e não só um dois, mas quantos a vida apresentar... No pain, no gain - tudo tem um preço e o amor da vida também.

Ele convive conosco a rotina e tédio do dia a dia, tendo absoluta certeza de que tudo seria muito mais difícil ou chato se você não estivesse lá.

O amor da sua vida sai conosco da maternidade carregando um filho comum nos braços, envolto num topor de medo e felicidade indescritível. O amor da sua vida também é aquele que adota seus filhos como se fossem dele, sem se considerar um herói por isso.

O amor da sua vida faz tudo aquilo que um relacionamento prevê com leveza e naturalidade, sem desejar que seja diferente. Você não precisa convencê-lo de nada para que ele fique ao seu lado. Ele simplesmente fica.

O amor da sua vida constrói com você - sonhos, viagens, futuro. Ele enxuga suas lágrimas tristes quando seus entes queridos se vão e as felizes quando novas crianças surgem na família.

O amor da sua vida reclama, mas todo ano sobe no armário e alcança a caixa da árvore de natal empoeirada, mais a outra de bolinhas coloridas e a de enfeites. E ainda testa o pisca-pisca!...

O amor da sua vida encara as milhares de inconveniências caseiras que assolam os casais modernos. Um domingo chuvoso, depois que todos os dvd's já foram vistos e seu time perdeu o campeonato.

O amor da sua vida leva todo o seu pacote: sua mania de limpeza, a tia louca, o cunhado sem profissão definida. Ele conhece seus amigos - os chatos e os legais, sabe qual era seu apelido na infância e enfrenta com hombridade o encontro anual das suas amigas do segundo grau.

O amor da sua vida deseja que todas as pessoas que amam você também o amem, porque só assim ele se sentirá realmente parte de sua vida.

Você perde a cintura, o emprego... Ele perde o cabelo, mas não a fé em você... e nele também.

O amor da sua vida vai deixar passar um mentirinha, fingir que ignora suas fraquezas e vai ser capaz de perdoar um erro. Às vezes, um grande erro. Porque ele sabe quem você é e porque fez o que fez.

O amor da sua vida não está ali para ser seu juiz nem seu algoz. Ele há de saber que sua tarefa é a maior, a mais nobre e leal que pode ser concedida a alguém - a de testemunha de sua existência.
Mesmo que seja só algum período, ele será sua testemunha ocular para a posteridade, porque quem não vê, não sente, ainda que seja dor.

Se não for assim, acredite, não é o amor da sua vida.

(OBS: os corações em origami da foto foram dobrados por mim!!...)

terça-feira, 1 de junho de 2010

"Quando foi praticado o primeiro Origami?"


Atendendo as muitas solicitações, estou pesquisando informações sobre história do origami e afins e decidi publicar "uma série, resumida e bem objetiva"!...

"Quando foi praticado o primeiro Origami"?

Há indícios de publicações sobre o origami pelos chineses da Dinastia Han (B.C. 202-A.D 220). No Japão, parece que essa arte chegou por volta do século 07. Lá, o papel recebeu muitas melhorias e beleza e o origami se aprofundou.

O origami passou a ser usado em cerimônias comemorativas e para embrulhar e enfeitar presentes em ocasiões especiais, através de uma técnica conhecida como "The Ogasawara Ryu", que posteriormente tornou-se tradicionalmente conhecida como "Noshi".

O "Noshi" é ainda hoje uma tradição no Japão. Em ocasiões como funeral ou casamento, entrega-se dinheiro ou presentes embrulhados com papéis especiais. O "Noshi" é um ornamento colocado sobre o embrulho de presente, significando o desejo de muita fortuna para a pessoa presenteada.

Fonte (com adaptações): "Fun with Friends and Origami in English"

Yamaguchi Makoto e Michael Deininger -

Japan Book, 2009 -

ISBN 978-4-902928-07-5